Consumo de peixe reduz risco de artrite reumatoide

Barbara de Almeida Araujo
Incluir na nossa alimentação pelo menos uma porção de peixe gordo (como a cavala, sardinha ou o salmão),uma vez por semana, ou quatro de peixe magro pode reduzir para metade o risco de desenvolver artrite reumatóide. A conclusão é de um amplo estudo desenvolvido por investigadores suecos e publicado nos Annals of the Rheumatic Diseases, que sublinha a importância do consumo regular de pescado.

A artrite reumatóide (AR) é uma doença crónica de natureza auto-imune.  O termo artrite refere-se à inflamação das articulações que se caracteriza por dor, calor, aumento do volume (inchaço) e limitação de movimentos. A AR é uma doença sistémica e não apenas articular, podendo afectar, para além das articulações, outros órgãos, como o coração, os pulmões, os olhos, a pele, entre outros. Um estudo epidemiológico da Sociedade Portuguesa de Reumatologia revelou que a AR atinge cerca de 50 mil portugueses, atingindo principalmente mulheres (82%).


O estudo que revelou a importância do consumo de peixe na redução de risco de desenvolver AR foi conduzido por equipa de investigadores do Karolinska Institute na Suécia e realizado em 32.232 mulheres nascidas entre 1914 e 1948. Entre 1987 e 1990 os autores do estudo recolheram informações, através de um questionário acerca dos hábitos alimentares, peso, altura, paridade e habilitações académicas.  Em 1997 conduziram um novo questionário com a mesma informação e outros dados adicionais (hábito de fumar, actividade física, suplementos alimentares e aspirina). Os participantes do estudo foram acompanhados entre 2003 e 2010.

Ao longo do estudo, 205 mulheres foram diagnosticadas com artrite reumatóide.

As mulheres que consumiam 0,21g de ácidos gordos polinsaturados (PUFA) ómega 3, ou seja, o equivalente a uma porção ou mais de peixe gordo por semana ou quatro de peixe magro, apresentavam uma redução superior a metade (52%) das probabilidades de vir a sofrer da doença. Das mulheres que contraíram a doença, 27% consumia menos de 0,21 gramas de PUFA ómega 3 por dia. O estudo demonstrou ainda que, a longo prazo, o consumo de pelo menos uma porção de qualquer peixe por semana reduz em 29% o risco de desenvolver artrite reumatóide. “A associação inversa entre o consumo de peixe e o risco de artrite reumatóide pode ser atribuída principalmente ao ômega-3”, referem os autores na conclusão do estudo. No entanto, chamam a atenção para o facto de não terem estabelecido uma relação entre o consumo de suplementos de ómega 3 e a redução no risco de artrite reumatóide  embora afirmem que o número de casos da doença tenha sido limitado quando se verifica a recorrência a suplementos.

Estudos anteriores já tinham demonstrado uma ligação entre o consumo regular de ómega 3 e a prevenção de outras doenças como cancros orais e da pele e o stress cardíaco e mental.
Por uma vida mais saudável coma mais peixe!
 
 
Fonte: Alert Online

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *