Índice glicémico – O que é e qual a sua importância?

Etiquetas:

Barbara de Almeida Araujo
O índice glicémico (IG) é um parâmetro utilizado para classificar alimentos que contém hidratos de carbono. O IG mede a capacidade com que um determinado alimento tem em elevar a glicose no sangue no período pós prandial, ou seja, permite avaliar o efeito  hiperglicemiante de uma refeição ou de um alimento. O valor do IG é expresso como a percentagem do aumento da glicose no sangue provocado por determinado alimento (50g), em comparação com uma porção equivalente de um alimento padrão (pão branco ou glicose), consumido pelo mesmo indivíduo.
Portanto, o IG refere-se ao tempo de digestão, absorção e chegada da glicose do alimento à circulação, causando o aumento da concentração de glicose, que chamamos de pico glicémico
Alimentos com elevado IG provocam um aumento rápido de insulina, sendo indicados para reposição rápida de energia (por exemplo para o pós treino). Nos alimentos com IG baixo os açúcares demoram mais tempo a entrar em circulação, pelo que ao contrario dos alimentos com um IG elevado, os com IG baixo diminuem a fome, promovem a saciedade e ajudam no controlo de peso.


Imagem tirada daqui



Classificação do índice glicémico:


Classificação
IG
Baixa
< 55
Média
55-69
Alta
>70
Factores que afectam o índice glicémico:
  • Processamento, preparação e confecção dos alimentos;
  • Quantidade e tipo de fibra;
  • Tipo de hidrato de carbono (glicose, frutose, sacarose, lactose ou amido);
  • Presença e quantidade de outros macronutrientes.

Apesar do índice glicémico dos alimentos ser importante ter em conta na elaboração de um plano alimentar para prevenir tanto doenças  cardiovasculares, diabetes, obesidade bem como aumentar o rendimento durante a prática de exercício físico, facilmente percebemos que tem algumas limitações. Por  exemplo, a melancia tem um IG de 72, portanto tem um elevado IG. Contudo, uma porção de melancia tem uma quantidade de hidratos de carbono baixa (6g). Já o arroz tem um IG baixo (43), mas uma porção de arroz contém bastantes hidratos de carbono (38g).
Analisando este valores , tendo em conta apenas o IG, diríamos que a melancia tem um efeito hiperglicemiante superior ao do arrroz. Contudo, a melancia, por 100g, tem menos hidratos de carbono do que o arroz logo para termos a mesma quantidade de HC teríamos que ingerir uma quantidade de melancia bastante superior ao que se considera ser uma porção.
Para ultrapassar este problema foi criado outro parâmetro, a carga glicémica (CG). A carga glicémica tem em conta tanto a quantidade de hidratos de carbono no alimento como o impacto desses mesmos hidratos de carbono nos níveis de açúcar no sangue.

CG= Hidratos de carbono por porção x IG/100

Assim neste caso o arroz tem uma carga glicémica de 16 (43×38/100) enquanto que a melancia tem uma carga glicémica de 8 (72×11/100), ou seja inferior à da batata. A CG tem maior aplicação na prática do que o IG já que tem em conta a quantidade de hidratos de carbono por porção.

Classificação da Carga glicémica:



Classificação
CG
Baixa
<10
Média
11-19
Alta
>20


Índice glicémico e Carga glicémica de alguns alimentos:

Alimento
Índice glicémico
Porção
Hidratos de carbono disponíveis
Carga glicémica
Amendoim
14
8 c. sopa (113g)
15
2
Arroz branco cozido
43
150g
38
16
Batata cozida com casca
60
150g
27
16
Batata doce cozida
44
150g
25
11
Banana
70
120g
23
16
Bolachas Digestivas
55
25g
16
9
Cenoura crua
16
80g
8
1
Cereais tipo All bran
38
30g
18
7
Cereais tipo cornflakes
92
30g
25
23
Esparguete
42
140g
38
16
Glicose
100
50g
50
50
Kiwi
58
120g
12
7
Laranja
40
120g
11
4
Mel
55
1 c. sopa (21g)
17
9
Melão
70
120g
6
4
Melancia
72
154g
11
8
Maçã
34
1 média (120g)
16
5
Milho doce cozido
60
80g
18
11
Pão branco
70
60g
28
20
                                                     Fonte:  http://www.glycemicindex.com
Conclusão:

Na minha opinião devemos ter em conta o IG na escolha dos alimentos, no entanto muitas vezes o IG pode induzir-nos em erro em certos grupos alimentares. A CG acaba por ser mais útil na prática. Em pessoas saudáveis o IG pode ter um significado limitado, no entanto nos diabéticos é algo que não deve ser descurado.
– No que diz respeito a dietas de emagrecimento o IG é útil pois permite-nos escolher alimentos que promovem uma sensação de saciedade mais prolongada. Na teoria quanto mais elevado o IG maior a libertação de insulina, o que conduz a uma descida rápida da concentração de glicose no sangue e consequentemente sentimos fome mais rapidamente. Por outro lado quanto menor o IG maior é a sensação de saciedade.

– No que diz respeito a Diabetes estudos indicam que substituir refeições de elevado IG por refeições com um IG baixo melhoram o controlo da glicémia.


– No que diz respeito ao exercício físico alguns estudos referem que o desempenho físico pode ser afectado pelo IG dos alimentos. De acordo com estes, o consumo de alimentos com um IG baixo antes do exercício resulta em respostas glicémica e insulinémica mais estáveis, aumentando o metabolismo dos lípidos durante o exercício e melhorando a performance.  Por outro lado os alimentos com um IG elevado elevam rapidamente a glicémia desde o início do exercício resultando num aumento de insulina e queda rápida da taxa de glicémia, pelo que estes alimentos são indicados para o pós-treino, pois promovem mais rapidamente a reposição de glicogénio muscular. 

Faça escolhas sábias, controle a sua alimentação!


   Cocate P.G.,  Alfenas, R., Pereira, L. ÍNDICE GLICÊMICO: Resposta metabólica e fisiológica antes, durante e após o exercício físico. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte.  2008; 7 (2): 109-117
   Roberts SB. Glycemic index and satiety. Nutr Clin Care. 2003; 6(1):20-6.

Thomas D, Elliott E. Low glycaemic index, or low glycaemic load, diets for diabetes mellitus. Cochrane Database Syst Rev. 2009; 21(1)

   Thomas DEBrotherhood JRBrand JC. Carbohydrate feeding before exercise: effect of glycemic index. Int J Sports Med. 1991;12(2):180-6.
   Wu CLWilliams C. A low glycemic index meal before exercise improves endurance running capacity in men. Int J Sport Nutr Exerc Metab. 2006;16(5):510-27.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *